Return to site

O que Mark Manson não disse!

A Solução para o Brasil está na
Mão da Globo

Se você leu recentemente um texto chamado: Uma carta Aberta ao Brasil de uma autor chamado Mark Manson, esse texto vai fazer todo sentido. Caso contrário, sugiro ler o texto dele depois ler o meu! http://markmanson.net/brazil_pt
 
A Solução para o Brasil está na Mão da Globo.

Parece um pouco absurdo esse subtítulo, mas também preciso dizer que assim como a solução para o Brasil está na mão da Globo, preciso dizer que o problema do Brasil também.

Existe um ditado popular que diz o seguinte: “Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”. Acredita-se que essa frase tem origem bíblica, pois é possível encontrar ao menos dois versículos que indicam o mesmo sentido, 1 Co 15:33 “Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes” e Pv 13:20 “Quem anda com os sábios será sábio; mas o companheiro dos tolos sofre aflição”. Ou seja, tanto o ditado popular quanto os dois versículos, alertam para a influência que o contato com ideias e padrões de atitudes dos outros pode exercer sobre quais valores farão parte de nossas vidas e sobre quais serão as nossas decisões diante das mais diversas situações.

Se uma criança cresce vendo seus pais mentindo sempre que lhes for conveniente, provavelmente ela incorporará essa atitude em sua vida, pois seu pai representa para ela, autoridade e referência de educação, tanto com suas palavras como com seus exemplos. Da mesma forma, se uma família possui uma visão de empreendedorismo, tendo na sua origem sucessivas gerações de donos de lojas, fábricas, restaurantes e outros negócios, a criança que crescer nesse meio, terá essa visão de realidade como a mais provável de ser seguida, tanto por já ser um caminho conhecido de sucesso familiar, quanto pelas ideias difundidas ao longo de sua vida. Ideias essas que fizeram parte dos churrascos em família, dos conselhos sobre a profissão a seguir e dos inúmeros comentários anti-crise e de pró-atividade frente as piores notícias econômicas que se passaram na tv.

É interessante pensar também no poder de influência que existe nos diversos eventos de final de semana para imersão sobre um assunto, promovidos por empresas, para seus funcionários, chamados bootcamps. Esses eventos, são semelhantes aos retiros espirituais promovidos por diversas religiões com a finalidade de aproximar sues fieis fazê-los absorver rapidamente uma nova cultura, novas ideias e novos padrões de pensamento, o que a neurociência chama de ambiente imunodepressor. Ambiente como esse são capazes de transformar até os pensamentos mais enraizados e as ideias mais avessas, pois nesse ambiente existem os exemplos de pessoas comuns que mudaram suas vidas a partir da mudança de suas ideias, existe a validação por uma figura de autoridade, ou seja de uma celebridade ou alguém famoso validando aquelas novas ideias e existe a criação de um propósito de mudança maior envolvendo o bem estar e a coletividade seja da empresa ou comunidade religiosa.

O que quero dizer é que tanto a influência dos pais, como a influência dos amigos, como os eventos de imersão empresariais, como os retiros espirituais, todos possuem um papel fundamental de influência e construção do chamado complexo memético do indivíduo, ou seja, o modelo mental formado a partir do conjunto de valores e ideias absorvidos ao longo do tempo. O ambiente empresarial que estamos inseridos na empresa em que trabalhamos, também pode ser chamado de complexo memético, pois possui missão, visão e valores para nortear as ações de todos que trabalham lá. Existe também o complexo memético presente no conjunto de ideias difundidas sempre com um mesmo formato, roupagem e propósito, existente em uma revista, em um jornal, em um seriado ou mesmo em uma emissora de tv.

A influência memética exercida sobre um povo, ou seja, a influência exercida sobre o que o pesquisador Richard Dawkins chamou de meme, pode ser compreendida por seu significado: “a unidade de transferência e imitação cultural”. Um conjunto de memes absorvidos, naturalmente ou prositalmente, é fundamentalmente o que define a cultura e os valores de um povo, de uma sociedade, de um grupo e de uma família.

Vejamos a Alemanha por exemplo, recentemente considerada a economia mais sólida do mundo. Das 2.000 empresas com maior rendimento em todo o mundo, 53 são alemãs sendo que 95% de toda economia é formada por pequenas e médias empresas, as chamadas Mittelstand. Nesse país, sindicatos e os patrões, conversam e decidem sobre salários e níveis de produtividade dos funcionários a fim de manter a lucratividade e os postos de trabalho ativos. Todo o sistema financeiro como bancos e cooperativas se preocupam em fazer com que o crédito seja acessível a todos.

Existe uma grande preocupação de cada cidadão em servir ao seu país, dar o seu melhor e agir pensando no ganho coletivo. Mas onde começou tudo isso? Começou com os memes difundidos no pós-guerra com a criação da chamada "economia social de mercado" criada sob o governo democrata-cristão do chanceler Konrad Adenauer, e se manteve, desde então, como uma espécie de política de Estado. Ou seja, independentemente das convicções religiosas de cada cidadão, o conjunto de políticas adotadas para favorecer à todos e não privilegiar ninguém, foi o conjunto de memes retirados da bíblia, como igualdade, respeito às autoridades, respeito e amor ao próximo, honestidade e trabalho duro.

Se analisarmos também a cultura dos Estados Unidos da América, vamos encontrar um conjunto de valores muito parecidos, visto que os EUA foram uma colônia britânica cristã protestante, que teve seu complexo memético construído por diversos homens com os mesmo valores. Temos vários exemplos como Martin Luther King, 1963 que proclamou seu famoso discurso “I Have a Dream...” nesse discurso ele mencionava diversos desejos sobre igualdade e sobre o que ele acreditava que um país deveria ter para ser bom para se viver. Através de uma pequena afirmação como essa, Dr. King mudou os EUA quanto a igualdade de direitos entre brancos e negros. Antes disso temos também, o Presidente americano James Monroe em 1825 falou sobre a “América para os americanos” e com isso os EUA passou a ser considerado a “Terra das Oportunidades” atraindo milhões de imigrantes vindos da Europa atrás de trabalho e do ouro, recém descoberto na Califórnia, gerando o maior movimento migratório da história. Não posso esquecer do mais famoso presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, defendendo o fim da escravidão com sua célebre frase “Como não gostaria de ser escravo, também não gostaria de ser amo. É essa a minha ideia de liberdade. Tudo o que diferir disto, na medida da diferença, não é democracia”. Por último, não mesmo importante cito John Fitzgerald Kennedy, que disse: “Não perguntes o que a sua pátria pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer por sua pátria”. Com isso, alimentou ainda mais o nacionalismo e a ideia de defesa da pátria e do modo de vida americano.

São inúmeras as ideias difundidas por presidentes, pensadores, celebridades, personagens de cinema e por pessoas que decidiram fazer a diferença e criar movimentos para transformar seu ambiente e que fizeram dos Estados Unidos a potência econômica e bélica que é hoje.

Já no Brasil, temos a Rede Globo, com 98 milhões de telespectadores, público de fazer inveja a qualquer emissora do mundo e cuja audiência só pode ser comparada a final do campeonato de futebol americano nos EUA. A capacidade da Globo de influenciar a população é absurda, pois suas novelas, mesmo que despretensiosamente, o que dúvido, chegam a ditar a cor de esmalte que as mulheres devem usar, o modelo, o cumprimento e a das roupas que as mulheres devem vestir, ditam o padrão estético, o que tornou o Brasil o país número 1 em cirurgias estéticas para colocar implantes de silicone e demais intervenções, além de influenciar que tipo de música as pessoas devem ouvir para se sentir na moda e aceitos pelos demais grupos sociais. Seus programas de auditório e programas de entrevista, lançam celebridades meteoricamente e também as enterram rapidamente quando o querem. A cada novo programa de humor criado pela Globo, novos jargões são criados e novos padrões de atitude são enraizados na população.

Quando falo que a solução do Brasil está na mão da Globo, me refiro a capacidade de influência e de transformação do modelo mental do brasileiro, a partir de sua penetração nos lares do povo, já que a cultura do brasileiro vê a Globo como referência de informação e entretenimento. É claro que quem pode mudar o Brasil são somente os brasileiros, porém só quem pode mudar os brasileiros, ao menos com a velocidade necessária e de forma integrada, é a Globo. Enquanto eu me preocupo em debater sobre os problemas econômicos e sobre questões como sustentabilidade, inovação e empreendedorismo com a minha família, transformando o modelo mental deles, fazendo-os ver uma outra realidade e os ajudando a ter pensamentos e padrões de atitudes vencedoras, existem centenas de famílias vidradas na televisão assistindo a uma novela, aprendendo o que as novelas ensinam que adultério é normal, que honestidade não é importante, que ser empreendedor é para rico ou pessoas que fizerem coisas erradas para chegar lá, que festejar é mais importante do que economizar, ou esperando seu time de futebol entrar em campo, como uma forma de alívio momentâneo das dores diárias vividas por um povo que não sabe como melhorar de vida e que tem pouco conhecimento para decidir em quem votar nas próximas eleições. Isso acaba gerando má escolhas nas urnas, o que alimenta o atual sistema que pouco se importa com o povo, um sistema voltado para administrar o sistema, que arrocha as empresas e subjuga a população. A influência que a Globo possui sobre a população vai além capacidade de ajudar o povo a fazer boas escolhas nas urnas, está ligado também a ajudar o povo valorizar o que realmente importa, a valorizar os princípios e atitudes responsáveis por formar as principais nações do mundo. A Globo pode criar programações entretimento com conteúdo capaz de terminar com o jeitinho brasileiro, de sempre querer levar vantagem em tudo, de ser egoísta, desordeiro, mal educado e desonesto, características amplamente reclamadas em diversos países que recebem turistas brasileiros.

Somente uma emissora com a capacidade da Globo pode criar programas e reportagens com memes construtivos, altruístas e agregadores capazes de mudar o rumo de uma nação a partir da influência e do bom exemplo.

Grande Abraço!

Tiago Cavalcanti Tabajara 

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly